VINTE E QUATRO ANOS DE BROCHADA

     Puxaleve estava sentado num barzinho, terça à tarde, esperando Doravante, seu amigo chegar. Quando ele chega, senta-se e pede mais uma garrafa e um copo.

– Que cara é essa? – diz Puxaleve

– Brochada.

– Xíííí… nem conta, não quero nem saber.

– Que? Não, né nada disso, ô animal! É o país.

– País? O que o país tem a ver com a sua brochada?

– Deixa de ser tapado Puxa. Você não vê? O país é que tá brochando. Faz vinte e quatro anos que o Brasil tá brochando.

– E como é que país brocha?

– Tudo começou por causa do desgraçado do Tancredo em 85. Opa, valeu heim. – Doravante agradece ao garçom que deixa o copo e a garrafa na mesa.

– Mas o Tancredo morreu, ele foi eleito e morreu antes de tomar posse.

– Exatamente, o desgraçado morreu e deu o cargo pro Sarney! Pro Sarney!! Tem desgraça maior que essa?

– É eu lembro essa daí. Lembro que até na época não se sabia direito se era ele ou o tal de Ulysses que devia ser o presidente mesmo. Mas o cara tinha a grana e o poder então acabou sendo ele.

– E o desgraçado ficou cinco anos no poder pra depois dar lugar a quem?

– Ahn… deixa ver, depois dele veio… vixi, foi o Collor.

– Nem precisa falar né? Durou dois anos e entrou o Itamar pra substituir. Foi melhor que o Collor, mas também pra ser pior só se o Bush fosse eleito. Mas também fez um monte de cagada. Lembra o plebiscito em 93? 30% da população nem apareceu ou anulou o voto e 10% votaram na monarquia. MONARQUIA!! As pessoas preferiam ter um rei a um presidente. Claro, as nossas experiências com presidentes tinham sido na ditadura, o Collor e o Sarney.

– Haha, eu me lembro disso, ele mudou de partido pra se eleger e tudo. Essa história de fidelidade partidária nunca colou com ninguém.

– Exato, mas uma das poucas coisas decentes que esse cara fez, o Fernando Henrique foi lá e tascou a mão. O real. – Doravante joga uma nota de R$ 10,00 na mesa.

– A inflação tava braba.

– Tão braba que às vezes a gente ia à padaria pra comprar pão e não tinha porque o preço da farinha foi pro espaço! Mas todo mundo votou confiante no FHC, o cora era formado em sociologia, professor da USP, renomado estudioso de Maquiavel e ainda por cima de família rica. Pô, o cara tinha bala na agulha, era inteligente e instruído. Tinha tudo na mão… FUDEU com o país que nem jegue comendo uma virgem.

– Esse era um que eu matava. Não tem sujeitinho mais escroto que esse. Posando de intelectual, não fez porra nenhuma. O Lula eu até posso perdoar, o cara passou fome quando criança, sem educação formal. Mas um sujeito de faculdade, família boa, cheio de oportunidade se vender assim que nem ele.

– É mais o Lula também não é inocente. Afinal ele brigou tanto pra se eleger pra que? Cinco vezes! Se candidatou cinco vezes. Dava até a impressão de que o cara ia salvar o mundo. Tava com tanta vontade de se eleger que parecia que tinha descoberto a saída de todos os problemas. Porra nenhuma. Ta aí, viajando e falando merda igual um pedaço de pau de bosta.

– Ta aí ainda, não sabe de nada, não quer nada com nada. Mas qual é o ponto disso tudo?

– Cê não entendeu ainda? O país vem brochando desde a época do Tancredo. A gente só tem tido um bando de safado ou idiota no governo e os caras não fodem nem saem de cima. São uns brochas e a gente ta brochando junto. Aliás, junto não, eles tão brochando a gente. Percebeu um certo padrão na presidência desde aquela época? O Tancredo é eleito, mas o Sarney entra. Depois o Collor é eleito e o Itamar entra. Depois disso mudou a moeda, ai o Fernando Henrique tem dois mandatos, depois o Lula tem dois mandatos.

– E daí?

– E daí que primeiro alguma coisa acontecia e um presidente acabava sendo tirado do governo para outro entrar. Quando ele entrava, nós não tínhamos escolha. Já foi difícil por alguém lá e agora que seja-lá-quem-for entrou, não dá pra tirar. Depois os passamos a reeleger os presidentes, de novo, por completa falta de escolha. Lula é igual ao Fernando Henrique que é igual ao Itamar que é idêntico ao Sarney, não interessa. Qualquer um que estiver lá vai fazer a mesma porcaria. Brochar.

– Tá, e pra que você chegou aqui já falando disso?

– Ah, Puxa, fica quieto e pede mais uma.

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma resposta to “VINTE E QUATRO ANOS DE BROCHADA”

  1. Willy Barp Says:

    Não me lembro de um goverante brasileiro que tivesse pau duro (o collor tinha akilo roxo né, mas só isso kkk).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: