MORTOS-VIVOS – ZUMBI, O APOCALIPSE PARTE 1

     Gosto forte de sangue na boca. Ele se levanta e olha para si mesmo. Seu corpo estava rasgado e mutilado, garras cortaram sua pele de ponta a ponta e agora o homem se lembra. Ele morreu.

     Ao acordar ele não era mais o Sr. que um dia fora, era somente mais um, outro, apenas parte de um inconsciente coletivo. Despiu-se do ser, desproveu-se de memórias e sentimentos, arrancados do seu corpo estraçalhado.

     O saber estar morto, o entender, era obviamente instintivo. Tudo agora seria instintivo. Essa criatura que acabou de nascer é feita de instintos e o rei de todos os instintos, aquele, o mais primal e governante de todas as vontades, está nesse instante urgindo. Fome.

     Olhou ao redor e viu o caos. Estava bem no centro da maior rua da maior cidade do mundo. Onde um dia já se pode presenciar uma via pulsante de vida, agora se vê a artéria principal do apocalipse. Vários de seus iguais corriam pelas ruas, com seus corpos dilacerados e suas faces por vezes deformadas, suas bocas não continham o sangue que escorria e manchava a pavimentação e suas almas. Carros virados, pequenas explosões ao fundo. Os milhares de seres humanos caiam às dezenas no chão, sobrepujados pelos cadáveres que um dia foram seus amigos de trabalho ou talvez a sua família.

     Deus havia tirado férias e o Diabo marcava ponto.

     O motivo de toda a carnificina ainda era desconhecido, mas em poucas horas, de diversos lugares do mundo, pretensos especialistas iriam à televisão, ao rádio e aos jornais tentar explicar o inexplicável. Mas é claro que não havia especialistas, ninguém nunca tinha visto nada disso. É claro que não havia o que se discutir. E é claro, não havia mais esperança.

     Poderia ser um vírus, uma doença. Mas essa teoria só serve para prover uma falsa luz no fim do túnel. Porque mesmo que seja um vírus, não cura. Não há tempo para se criar uma.

     Pode também ser castigo divino, ou talvez o inferno esteja lotado e os mortos se recusam a descer.

     Seja lá o que for ele está agora de pé em cima de um carro em chamas, gritando, uivando. Bradando sua dor e fúria, seu ódio e desespero como uma arma. Ele está morto, e foi jogado para o topo da cadeia alimentar.

     Seu prato favorito?

     Cérebro.

Tags: , , , , , ,

6 Respostas to “MORTOS-VIVOS – ZUMBI, O APOCALIPSE PARTE 1”

  1. Ricardo Jevoux Says:

    Essa é a primeira parte de uma pequena série em homenagem aos mortos-vivos mais famosos, sanguinários e com o maior body count de todos. Os zumbis.
    Um obrigado a todos os filmes de zumbis, em especial Madrugada dos Mortos (Dawn of the Dead) por me ensinar exatamente o que fazer quando a hora chegar.
    Atire na cabeça.

  2. Marcelo Master Says:

    cara.. vc nao tem noçao de como eu curto zumbi hauhuaahuauhauhahu demais..

  3. Mauren Says:

    Ric, eu ADOREI!!! Vocabulário rico, mas nada pedante…história interessante…parabéns irmão, vc tem muito talento ;)

  4. Willy Barp Says:

    Deus havia tirado férias e o diabo marcava pornto? Excepcional!
    Adorei essa frase!
    =D

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: