Posts Tagged ‘Escrita’

FIQUE CALMO! – ALGO SOBRE TUDO QUE VOCÊ APRENDEU NA ESCOLA

maio 12, 2010

Eu li no Livros e Afins mas diz lá que o texto original é do Cracatoa Simplesmente Sumiu.
Pasmem com esse texto. Sem mais.

————–

Fique calmo.

Você tem cinco anos de idade e só queremos que você sente nesta cadeira desconfortável por 5 horas.

Não começaremos por tanto tempo. No início há mais intervalos e períodos lúdicos. Vamos aumentando aos poucos.

Portanto, fique calmo.

Amanhã você também sentará nesta cadeira desconfortável por mais algum tempo.

De segunda a sexta e, às vezes, no sábado também. Embora por menos tempo.

E quando finalmente aprender a sentar nesta cadeira desconfortável por cinco horas, lá na frente estará um sujeito que falará durante as cinco horas sobre assuntos que, possivelmente, não interessam a você.

Não é culpa dele. Talvez nem ele saiba mais o que está fazendo ali.

Pois ele, antes de você, já teve a fase em que sentou-se, durante anos, em uma cadeira desconfortável durante cinco horas, ouvindo alguém falar sobre coisas que não lhe interessavam.

E, depois de passar por um processo desses, repetidamente, é bem possível que ele já não ligue mais para isso. Note como ele fala calmamente.

Assim, fique calmo.

Você não está aprendendo Matemática. Não está aprendendo Língua Portuguesa. Não está aprendendo Ciências. Isso é só a fachada.

O currículo está para o verdadeiro ensino como o restaurante sem movimento está para a lavagem de dinheiro de algum negócio ilícito. É só a fachada.

O que você aprende de verdade é que você deve suportar situações insuportáveis por períodos longos do seu dia, repetidamente ao longo de anos de sua vida.

A cadeira desconfortável em que você se senta por milhões de minutos está moldando sua bunda para o que bilhões de adultos costumam chamar de cotidiano.

Esse aprendizado tornará mais fácil e cômodo aceitar aquilo que se espera de você daqui a alguns anos.

E o cara lá na frente é uma espécie de boneco de treinamento. A exemplo dos simuladores, ele não pode feri-lo de verdade. Mas está condicionando você para a coisa mais importante nesta vida:

RESPEITAR A AUTORIDADE. A AUTORIDADE SÓ FALA A VERDADE.

E, pode acreditar, você terá oportunidade de respeitá-la e também de ser autoridade, às vezes simultaneamente, às vezes como boneco de treinamento. Ser, nessa máquina, uma engrenagem. Que é movida mas que move também

Sem respeito à autoridade, o mundo como o conhecemos não funciona. E todo o mundo sabe como o mundo, tal e qual o conhecemos, é ótimo. Todos o adoram. Ninguém quer engrenagens que se movam em algum sentido inesperado.

Então. Fique calmo. E sentado.

Outra coisa importante: errar é horrível.

Esperamos que você só acerte nesta vida.

Sabemos que ter medo de errar prejudica a criatividade, pois a criatividade presume eventuais erros.

Mas também ninguém espera que todo o mundo seja criativo. Afinal, o que seria da autoridade se todo o mundo começasse a ser criativo e tivesse liberdade para errar sem medo?

Assim, mais fachada: parece bonito ensinar alguém a só acertar, mas de verdade o que você tem que aprender mesmo é o medo de errar.

O mercado não admite erros.

Não havíamos tocado neste assunto, ainda.

O mercado.

Mas saiba que o mercado é a cola que une a sua bunda a essa cadeira desconfortável. Afinal, você precisa, um dia, ser capaz de ser um empregado e fazer parte do mercado.

É por isso que você está sentado. Sentado e calmo.

Fique calmo.

E, depois de anos de cadeira, ouvindo alguém falar de coisas que não lhe interessam em absoluto, você passará por uma coisa chamada vestibular.

O vestibular verifica se você ouviu e absorveu o suficiente de coisas desinteressantes e se, assim, será capaz de, mais tarde, vender seu tempo para projetos que também não lhe interessam necessariamente. E, assim, ser um empregado exemplar.

Isso tudo depende de:

•sua capacidade de ficar sentado em uma cadeira desconfortável, que indica sua predisposição a suportar situações insuportáveis

•sua capacidade de não questionar a autoridade, tão firmemente desenvolvida e fixada ao longo de anos que você nem a percebe

•sua capacidade de se interessar por assuntos que não o interessam realmente, que é uma espécie de auto-engano que as grandes empresas costumam chamar hoje de proatividade e de sinergia

Se você tiver absorvido tudo isso, certamente passará no vestibular. Muito embora – e mais uma vez entramos no tema da fachada – o vestibular pareça medir coisas como Matemática, Língua Portuguesa e Ciências.

Podemos concluir, grosso modo, que quanto mais concorrida a vaga de um curso, mais ela exige das três capacidades acima arroladas.

Matemática, Língua Portuguesa e Ciências são índices apenas. Na verdade, estão para o verdadeiro ensino como o hambúrguer está para o cadáver do boi.

Ainda assim, FIQUE CALMO.

Sim. Finalmente, você entrou em uma faculdade.

PARABÉNS!

Mais alguns anos de cadeira desconfortável. Só para garantir.

Mas agora você não precisa ficar sentado nela durante tanto tempo. Não é preciso. Seu espírito já se dobrou. Possivelmente, ele está sentado neste momento, suportando alguma situação insuportável, mesmo quando você está em pé.

Bem calmo.

É bem provável que essa faculdade em que você entrou tenha como slogan algo semelhante a “preparamos para o mercado” com a foto de um modelo sorridente abaixo.

Não confunda: ele não é um estudante da instituição, mas os dentes daquele sorriso são o mercado.

Para as fachadas mais humanas, o slogan é algo como “preparamos para a vida”. Que, considerando que vida e mercado hoje são quase sinônimos, dá na mesma.

“Preparamos cidadãos” – e seus equivalentes – quer dizer “ensinamos você a usar o Procon”. Porque, no mercado, o bom cidadão é o consumidor. Talvez a única vez que você tenha questionado o sujeito que fala coisas desinteressantes lá na frente tenha sido dizendo algo como: “Ei, eu pago o seu salário! Sou um consumidor!”. Parabéns, você aprende rápido.

Pois se você é incapaz de consumir, não é um cidadão de primeira classe. Talvez nem seja um cidadão.

E o mercado pede que você seja um cidadão. E o máximo a que o seu questionamento será capaz de chegar irá até estas três letrinhas: SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor).

Se as empresas quisessem atender pessoas, colocariam gente de verdade atendendo aos telefonemas. E não gravações ou outras pessoas lendo scripts e preparadas pelo mercado.

Por isso, o mercado – de olho no futuro – cola sua bunda à cadeira desconfortável durante horas.

Para aprender a suportar situações insuportáveis, respeitar a autoridade e para nivelar sua criatividade tão aceitavelmente quanto a volúpia de um gato castrado.

Para que assim, um dia, você possa contribuir e, só então, consumir: realimentando o processo.

Eu sei que, aos cinco anos de idade, é difícil entender o que está acontecendo.

Mas peço que você, por alguns instantes e nos seguintes, FIQUE CALMO.

Em alguns anos você vai aceitar tudo perfeitamente.

Anúncios

E FODA FICAR SEM ACENTOS

maio 5, 2010

Eu realmente gostaria de saber se eu fiz alguma merda nas configuraçoes do blog ou se foi o wordpress mesmo. Desde hoje no inicio da tarde eu nao consigo mais por acento nenhum nas palavras.

Entao eu tenho que digitar no word e passar os textos para ca. Ate ai tudo bem, eu ja devia estar fazendo isso mesmo, mas quando eu quero fazer um post rapido, abrir o word, digitar o texto e o titulo, abrir o blog, copiar e colar, vai contra todo o principio de “rapido”.

O LeM entao passa a ser o fast food brasileiro do fast blogging.

OBRAS DE GEORG WILHELM FRIEDRICH HEGEL

dezembro 28, 2009

Em português:

HEGEL_A_razo_na_histria_uma_in.html
HEGEL_Fenomenologia_do_Esprito.html
HEGEL_Fenomenologia_do_Esprito.html
HEGEL_Introduo__Histria_da_Fil.html
HEGEL_Sobre_o_Ensino_da_Filoso.html

Em inglês:

Philosophy_of_Right.html
Philosophy_of_History.html

Em alemão:

Wissenschaft_der_Logik_v2.html
Phaenomenologie_des_Geistes.html
Rede_zum_Schuljahresabschluss.html
Wissenschaft_der_Logik_Erster_.html

OBRAS DE RENÉ DESCARTES

dezembro 21, 2009

Em português:

DESCARTES_Regras_Para_a_Direo_.html
DESCARTES__Objees_e_Respostas.html
DESCARTES_As_Paixes_da_Alma.html
DESCARTES_Meditaes_Metafsicas.html

Em francês:

Les_Mditations.html
Discours_de_la_Mthode.html

Em italiano:

Discorso_sul_metodo.html

A SENSACIONAL ALICE

dezembro 7, 2009

     Alice era uma menina sensacional. Daquelas que dão torcicolo quando passam. Dezenove aninhos, pele lisinha, olhos verdes saltitantes e uma suposta virgindade, que era causo pra assunto por horas entre a galera da rua. Havia os céticos de um lado e os bíblicos. Os céticos nem davam bola pra esse papo de hímem. Logo a Alice? Qualquer outra vá lá, mas a Alice? Já os bíblicos tinham fé. Precisavam crer que existia um propósito maior e que ela ainda estava selada e lacrada.

     Quando questionada sobre o assunto, Alice apoiava que era virgem e ainda soltava a bomba. “Eu só vou me entregar quando casar.”

     Um dos garotos do bairro não e se agüentou e propôs logo. Na verdade, mais por curiosidade que por amor. Queria ver a Alice, como a Alice devia ser vista. À olho nu. À corpo nu. Ele, bom partido, boa família, pescou o interesse da Alice e casaram-se. Reza a lenda que a noite de núpcias durou 11 dias. Os três primeiros o marido passou rezando devido a uma promessa. Os quatro últimos ele passou no hospital, caso clínico de inanição. Passara os outros quatro dias sem comer. Comida.

     Por desgraça do destino, três messes depois o marido de Alice morreu. Acidente de avião na Alemanha. Foi visitar o país a negócios e voltou numa cama de madeira. O enterro foi um inferno para a Alice, tinha mais gente ao redor dela do que do defunto e nunca se viu tanto marmanjo fingindo choro. Familiares do presunto e da Alice, amigos de ambos, transeuntes, todos tentavam agradá-la. A vaga estava aberta novamente. Mas ela foi incisiva pros mais persistentes. “Só casando.”

      E é claro, como era Alice, a vaga foi rapidamente preenchida. E Alice também, foi preenchida. Um casamento sólido, pacífico, e monogâmico. Tinha tudo para ser eterno e foi, enquanto durou. Eterno por seis meses e dois dias. O divorcio foi pedido pelo marido que alegou em segredo para o advogado da Alice, “não da pra acompanhar. É todo dia, toda hora, a gente não desliga o ar-condicionado faz dois messes. Aliás, acho que é a primeira vez que eu saio da cama essa semana.”

     Mas Alice não se deixou abalar. O advogado, o pai do advogado, amigo de infância, seu dentista, corretor de imóveis, músico. Alice casou-se e casou-se. Com o recato de uma virgem, nunca fez “aquilo” fora do casamento. Assim lhe foi ensinado.

     Hoje, Alice mora na França, muito bem obrigado, com seu marido Jacques. Setenta e seis anos e com 37 divórcios, 8 funerais e 3 fugas. Jacques tem vinte e dois anos e é sustentado pela inacreditável pensão que Alice recebe.

     Jacques recentemente renovou o seu passaporte e planeja secretamente uma viagem para o Alaska.

OBRAS DE FRIEDRICH NIETZSCHE

dezembro 6, 2009

Em português:

A_Origem_da_Tragdia.html
Alm_do__Bem_e_do_Mal.html
Assim_Falava_Zaratustra.html
Crepusculo_dos_dolos.html
Genealogia_da_Moral.html
O_Anticristo.html

Em inglês:

Beyond_Good_and_Evil.html
Homer_and_Classical_Philology.html
On_the_Future_of_our_Education.html
The_Antichrist.html
The_Case_Of_Wagner_Nietzsche_C.html
Thoughts_out_of_Season_Part_I.html
Thus_spake_zarathustra.html
We_Philologists.html

Em alemão:

Also_sprach_Zarathustra.html
Die_Geburt_der_Tragdie.html
Ecce_homo_Wie_man_wird_was_man.html
Gtzen-Dmmerung.html
Jenseits_von_Gut_und_Bse.html
Menschliches_Allzumenschliches.html

Em finlandês:

Dityrambeja.html

Em francês:

Ainsi_Parlait_Zarathoustra.html

A FANTÁSTICA OBRA DE WILLY BARP

novembro 30, 2009

     Em português:

http://www.4shared.com/file/162458965/2d4a21f2/Reminiscencias.html

     Willy Barp é a mente criminosa por detrás do blog Asas do Corvo. Lá ele expôe poemas e contos de todas as formas e sabores, dentre outras coisas. A obra citada e linkada acima é a primeira de, esperamos, muitas outras que virão e pode também ser encontrada pelo link do próprio Corvo na seção “Livros”.

     Visitem o blog, baixem o livro e se deliciem como se estivessem degustando, tomem o seu tempo para a leitura, pois em época de cultura expressa, essa é uma obra para imersão na arte. Respire fundo e se jogue.

 

EDIÇÃO IMPORTANTE:

     Li hoje no Asa do Corvo que o Reminiscências do Willy agora tem uma versão em papel. O preço é praticamente simbólico e está disponível no Clube de Autores. Lá tem a sinopse escrita pelo próprio Willy e imagens das 6 primeiras páginas incluindo a capa.

NESSES DIAS, NESSAS HORAS

novembro 26, 2009

Tem dias que os meus dias têm poucas horas

Pois tem horas que eu queria que fossem dias

Se as horas dos meus dias fossem assim

Sei que os dias, com você, não teriam fim.

OBRAS DE IMMANUEL KANT

novembro 26, 2009

Em português:

KANT_A_metafisica_dos_costumes.html
KANT_A_Religio_Nos_Limites_da_.html
KANT_O_Conflito_Das_Faculdades.html
KANT_Prolegmenos_a_toda_metafs.html
KANT_Que_significa_orientar-se.html

Em inglês:

Critique_of_Practical_Reason_a.html
Fundamental_Principles_of_the_.html
Introduction_to_the_Metaphysic.html
On_the_Relashionship_of_Theory.html
Perpetual_Peace.html
Principles_of_Politics.html
The_Metaphysical_Elements_of_E.html
The_Philosophy_of_Law.html

Em alemão:

Kritik_der_reinen_Vernunft__2n.html
Kritik_der_reinen_Vernunft__1s.html

Em italiano:

La_pedagogia.html

OBRAS DE SANTO AGOSTINHO

novembro 23, 2009

Em português:

AGOSTINHO_Santo1_Soliloquios_e.html
AGOSTINHO_Santo_Confissoes_e_D.html
AGOSTINHO_Santo_A_doutrina_cri.html
AGOSTINHO_Santo_A_trindade.html

Em inglês:

The_Writings_Against_the_Manic.html
Anti-Pelagian_Writings.html
City_of_God.html
Confessions_and_Enchiridion.html
Expositions_on_the_Book_of_Psa.html
Homilies_on_the_Gospel_of_John.html
On_Christian_Doctrine.html
On_the_Holy_Trinity.html
Sermon_on_the_Mount.html
The_Confessions_and_Letters_of.html
The_Soliloquies.html

OBRAS DE RAUL BRANDÃO

novembro 16, 2009

     Em português:

A_Ilha_Azul.html
Mulheres.html
o_misterio_da_arvore.html
Os_Pobres.html

CONFORMIDADE, CONFORMISMO E O VOTO NO LIXO

outubro 29, 2009

     Minha mãe me mandou um e-mail esses dias com um texto muito legal e deu a dica deu pôr no blog. É, a família toda tá colaborando agora. Mas acontece que o texto é bom mesmo e chega perto de abordar um tema que eu já queria escrever sobre já faz um tempo.

     O texto aparentemente não tem autoria, então fica aí a vaga.

 

 

     “Brasileiro sempre teve mania de reclamar dos seus governantes. Reclamava dos governantes das Sesmarias e das Capitanias Hereditárias; dos governadores gerais e dos imperadores. Reclamava dos presidentes da Velha República e da República Velha, dos militares, de Sarney, de Collor, do Itamar, de FHC, de Lula. Não reclamaram de Tancredo Neves porque morreu antes da posse!

     Nas próximas eleições vamos ter novo presidente, novo governador, outros deputados, ou os mesmos! Mas o povo vai continuar a reclamar. Sabe por quê? Por que o problema não está nos deputados, senadores, governadores, prefeitos, presidente, funcionários. O problema está naquele que reclama: você e eu, nós! O problema está no brasileiro. Afinal, o que se poderia esperar do povo que sempre da um jeitinho? Um povo que valoriza o esperto e não o sábio? Um povo que aplaude o vencedor de um Big Brother, mas não sabe o nome de um escritor brasileiro? Um povo que admira o pobre que fica rico da noite para o dia! Ri quando consegue puxar TV a cabo do vizinho. Sonega tudo o que pode e quando pode, sonega até o que não pode. O que esperar de um povo que não sabe o que é pontualidade? Joga lixo na rua e reclama da sujeira? O que esperar de um povo que não valoriza a leitura? O que esperar de um povo que finge dormir quando um idoso entra no ônibus? Prioriza o carro ao pedestre? O que dizer de um povo que elege o Maluf de novo, elege o Clodovil?

     O problema do Brasil não são os políticos, são os brasileiros. Os políticos não se elegeram, fomos nós que votamos neles. Político não faz concurso, ganha votos: o seu e o meu.”

 

 

     Não deixa de ser verdade, eu ainda acrescento, existe outro problema que é o conformismo. O brasileiro deve ter alguma carência, alguma vontade de se encaixar em todos os grupos, sei lá. O fato é que as pessoas parecem ter um bloqueio de dizer “não”, alguma coisa proíbe o cérebro delas de serem contra a opinião alheia. Eu já observei isso acontecer várias vezes e como sou taxado de “do contra” ou “criador de caso”, vejo isso com grande curiosidade. A minha teoria é de que o brasileiro tenta não desagradar o seu próximo. Não sei o porque disso.

     Acontece toda hora, quando o caixa do supermercado não te da a droga do um centavo (dá minha moedinha!), quando alguém fura fila (aê, eu cheguei antes de você aqui, amigão!) e existem trocentos exemplos do dia-a-dia.

     Alguns pesquisadores aparentemente chegaram ao cúmulo de estudar um fenômeno parecido que eles denominaram conformidade e que se relaciona muito com o brasileiro também. Segue o vídeo explicando abaixo.

     A meu ver a situação tem duas soluções. Uma e simples e a outra nem tanto. Apesar da nem tanto ser bem mais divertida.

     Na nem tão simples, fazemos como na revolução francesa e botamos algumas cabeças pra rolar. Claro que não necessariamente precisa ser com guilhotina. Isso seria desumano. Poderia ser pelotão de fuzilamento ou enforcamento. Tanto faz. Mas limpar um pouco o país dos políticos não faria mal nenhum.

     O grande problema dessa opção é a falta de organização e de atitude do brasileiro. Vontade de se sujar um pouco pra fazer uma limpeza.

     Na segunda opção, bem mais simples, porém muito improvável ainda, é a seguinte:

 

006untitled

 

     Achei a imagem no blog Alê Félix.

     Nada poderia ilustrar melhor. Simples assim, vote nulo. Toda eleição que aparece eu encho o saco das pessoas que eu conheço, explicando isso. Vote nulo, se você acha que nenhum dos políticos merece o seu voto, não vote no menos pior, porque ele não sabe que você votou no menos pior, para a estatística o que fica parecendo é que você votou no cara porque gosta e apóia as suas idéias.

     Passe a mensagem certa e vote nulo. Avise para os políticos que você não os quer mais no poder. Poder esse que, por experiência, você sabe que eles só usam para nos ferrar.

FALL

outubro 27, 2009

I´ve been seeing curious bystanders

Jumping from a cliff above normal standards

Carrying only my reserve parachute I made it through the fall

Only when I landed I realised I was already feeling down.

PEÇO PERMISSÃO PARA PEQUENA POSTAGEM

outubro 22, 2009

     O texto mais abaixo me foi enviado por e-mail já faz algum tempo e de acordo com o título, seria o maior trava-língua do português. Do tipo “três tijelas de trigo para três tigres tristes” e aquele outro negócio com os mafagafinhos que eu esqueci como é.

     Eu tinha visto em algum lugar que esse texto é na verdade um trecho de um livro todo escrito nesse formato. Como eu não achei mais nada procurando esses dias, fica a dúvida, inclusive, sobre a autoria.

     O que é inegável é que deve ter dado um puta trabalho.

     Ah, se alguém quiser se acusar aí de ter escrito isso fique a vontade. Eu só editei os parágrafos da maneira que eu achei mais consistente pra não ficar um blocão de texto. Boa leitura.

 

____________________________________

 

     Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir. Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente, pintou pratos para poder pagar promessas. Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, passou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se principalmente pelo Pico, porque pastores passavam elas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas. Pisando Paris, pediu permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se.

     Profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo… Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. Paris!Paris! Proferiu Pedro Paulo. Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, papai partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para papai Procópio para prosseguir praticando pinturas. Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo perfeita permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: Pediste permissão para praticar pintura, porém,praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? Papai, proferiu Pedro Paulo, pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal. Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences. Partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando. Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém,passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito. Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente Pedro Paulo pegava pedras, porém, Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios.

     Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo, pereceu pintando…” Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar… Para parar preciso pensar. Pensei. Portanto, pronto, pararei.

OBRAS DE LUIZ VAZ DE CAMÕES

outubro 21, 2009

Em italiano:

I_Lusiadi.html

Em português:

Cancoes_e_Elegias.html
Os_Lusiadas.html
Redondilhas.html
Sonetos.html